quinta-feira

Aquecimento Global e mudanças climáticas... Balela? Veja o que dizem o papa Francisco e o Bill Gates

.
A ideia de voltar a falar sobre o tema, que não chega a ser essa grande novidade em termos de notícias (2015 - 2017), é para mexer um pouco com o marasmo que se abateu sobre o tema, que sumiu da mídia e, provavelmente, das cabeças que porventura se interessassem antes, como se o problema climático tivesse sumido do mapa meteorológico/ambiental, digamos assim.

É como disse o papa Francisco à época, sobre as devastações que os furacões Harvey e Irma que provocaram prejuízo milionário a ilhas do Caribe e aos EUA em 2017:

"O homem é estúpido, é um teimoso que não vê", disse, atribuindo a frase a uma passagem do Antigo Testamento. Em seguida, emendou: "o homem é o único animal que tropeça duas vezes na mesma pedra".

Ou o Trump que, mesmo diante dos estragos provocados pelos mesmos furacões, no mesmo período, se saiu com esta: “(...) que gostaria de 'bom e velho aquecimento global' contra o frio” (...).

Ou seja, ele está se lixando para “estas teorias...”. O que só tem reiterado de lá pra cá, cada vez com mais ênfase.

Enquanto o Bill Gates se saiu com esta. No bom sentido, é claro! Confira!
"Bill Gates surpreende o mundo ao afirmar: ”Só o Socialismo é capaz de salvar o clima, o setor privado é incapaz
O homem que mais beneficiou a economia capitalista  deixou claro a sua incapacidade de lidar com a questão mais premente do nosso tempo: a mudança climática.

Em uma entrevista a The Atlantic, o magnata da Microsoft argumentou: “o setor privado em geral é inepto, incapaz como uma ferramenta para gerenciar mudanças catastróficas do nosso clima que ameaçam a vida na terra.

Gates argumenta que os governos têm o papel fundamental a desempenhar no desenvolvimento de tecnologias para um mundo sustentável, principalmente por meio de um forte investimento em pesquisa e desenvolvimento. Ele argumenta que, feito isso, deve ser papel das empresas privadas pagar os custos de implantação dessas tecnologias – prometendo US $ 2 bilhões de seu próprio patrimônio líquido de US$ 79,2 bilhões para financiar a implantação desses projetos.

Então, por que não podemos confiar no setor privado para investir nas coisas certas no momento certo? Gates argumenta:

“Bem, não há nenhuma fortuna para ser feita.” “Sim, o governo tem sido um pouco incapaz”. “Mas o setor privado em geral é inepto para tomar a frente num projeto de tal envergadura”.

Os fatores que levam uma empresa com fins lucrativos a investir são diferentes daqueles do Estado. A mudança climática é uma área em que seria um investimento ilógico do ponto de vista corporativo, mas onde o Estado tem um papel claro e lógico.

Quando The Atlantic fez ver a Gates que o grande obstáculo no desenvolvimento de uma resolução impulsionada pelo Estado é a natureza da política dos EUA. Em primeiro lugar, as duas casas do legislativo são controladas pelos republicanos que acham que a questão da mudança climática é um discurso socialista e segundo, que não há um consenso de que a mudança climática exista mesmo. Gates tem uma visão diferente sobre o problema:

“Às vezes a democracia representativa é um problema. Há momentos em que não se pode permitir que um estado de espírito público mal informado possa impedir o Estado de tomar medidas sobre os riscos cientificamente comprovado que irão atingir a todos. Este é um desses momentos”, argumenta Gates.

Bill Gates não está argumentando que não há lugar para o capitalismo no mundo, mas que só o socialismo pode salvar o planeta. Qualquer um que esteja disposto a ignorar a importância deste argumento, especialmente de um dos homens mais ricos do mundo, está cometendo um grave erro.

Se quiser conferir o vídeo com o Bill Gates discorrendo sobre o tema, em inglês, clique aqui.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

terça-feira

Coruja das neves, uma obra prima da natureza

.
Clique nas imagens para ampliar
coruja-das-neves ou coruja-do-ártico (Bubo scandiacus[1]) é uma espécie de ave estrigiforme pertencente à famíliaHYPERLINK "https://pt.wikipedia.org/wiki/Strigidae" \o "Strigidae" Strigidae.

Habitat natural: Habita na tundra, como no norte dos EUA, Canadá, Alasca, Eurásia e no Ártico, mas são aves migratórias, por isso no inverno, podem ir para o Golfo do México, Rússia, China até o Caribe.
‘É a coruja do Harry Potter’.
Leia mais, aqui e/ou aqui.

     Obs. A tag: CaprichosdaNatureza vai partilhar algumas obras primas, se é que possamos nos expressar assim, isolando “alguma coisa”, já que a “mãe natureza” não brincou em serviço em nenhuma de suas criações...

Notadamente aquelas que porventura estejam ameaçadas, sobretudo como consequência do aquecimento global.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

domingo

Gosta de plantas? Mesmo se não bate sol em sua casa estas vivem sem

.
Apesar da grande oferta de “plantas descartáveis” em floras e supermercados, ainda tem gente que prefere ter em casa ‘as suas’, plantar e cuidar e assim ter esta companhia maravilhosa no cotidiano, que dá um visual mais ameno e saudável ao ambiente.

Mesmo que o seu apartamento não receba tanto sol assim como seria o desejável para a grande maioria das plantas, dá para selecionar algumas que vivem e se dão muito bem ‘longe do sol’.

Para isto bastam os cuidado habituais necessários, que as terá belas e saudáveis em sua companhia.
Veja também: Podar as plantas parece, e é, fácil, veja boas dicas
Elas precisam de luz essencial e ventilação, além, é claro, de serem regadas com regularidade. Fique atenta à rega, pois o excesso periódico faz mais mal do que um periodozinho sem água, ou seja, molhe o mínimo necessário de cada vez e atente para a frequência.

Confira estas opções:

Violeta
A violeta pode ser uma boa opção se não bate sol na sua casa. Entretanto, como dito acima, precisa de luminosidade e ventilação. Para a rega, leve em consideração a umidade da terra e só acrescente água se estiver seca. E, nesse caso, quanto mais gordinha for a folha da violeta, menos água ela precisa, pois consegue armazená-la por mais tempo.

Espada de São Jorge
Famosa por ser considerada uma proteção contra mau olhado, a espada de São Jorge mantém a coloração verde escura e as folhas saudáveis em locais sem contato direto com o sol. É bastante resistente e precisa de água uma vez a cada 15 dias.

Filodendro pacová
Com folhas grandes e vistosas, o pacová gosta de locais iluminados, mas sem luz solar direta. É um dos preferidos para ambientes internos e gosta de pouca água. Para saber quando regar, sinta a umidade da terra com a ponta dos dedos e coloque água se estiver seca.

Zamioculca
Muito ornamental e resistente, é uma das plantas mais fáceis de cuidar, assim como o pacová, pois precisa de pouca água. Gosta de ambientes internos e com pouca luz.

Orquídea Phaleonopsis
Essa espécie de orquídea pode florescer por dois meses consecutivos e aguenta bem dentro de casa. A phaleonopsis precisa de água apenas uma vez por semana.

Lírio da paz
O lírio da paz tem eventuais flores brancas e é um dos preferidos para lugares com pouco espaço, por conta da folhagem baixa. O ideal é regar uma vez por semana. Para garantir o acerto da água, coloque o dedo na terra e, se ainda estiver úmida, não precisa regar.

Dracena "pau d'água"
Pode ser plantada na terra ou na água, fato curioso que justifica o nome popular. É uma espécie resistente a ambientes internos, inclusive ao ar condicionado. Regue quando a superfície da terra estiver seca.

Como pode ver, são várias, e belas, opções que vão dar um novo visual ao seu espaço. É só escolher e curtir!

Com informações de estilo UOL

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

sexta-feira

Como usar dicas simples para não desperdiçar água. Vale à pena dar uma olhada

.
A água é tão omnipresente em nosso cotidiano que dificilmente imaginaríamos um cenário sem ela, não é verdade? Entretanto, a avaliar pelo que andam fazendo com ela por aí... Não seria tão absurdo assim chegarmos a ter que usá-la de forma radicalmente racional em algum momento, ou seja, racionamento.

Logo, não custa começarmos a fazer a nossa parte e usá-la com mais racionalidade e bom senso em nosso dia a dia.

Aqui no Brasil detemos um dos seus grandes reservatórios – cerca de 12% de toda a água doce superficial disponível no planeta  mas nada que justifique o seu desperdício. Pelo contrário, precisamos é cuidar muito bem desta preciosidade.
Veja também: 
 - Quando não falta ‘só’ água 
 - Reuso da água uma ideia que pode ser uma boa ideia 
 - Algumas dicas simples no cotidiano dão uma força ao planeta e a vida 
 - Dicas oportunas e eficientes para garantir um uso mais racional da água
Um dado interessante é que sua distribuição não é assim – como poderíamos dizer? – tão equilibrada pelo território nacional. A Amazônia, por exemplo, que tem um percentual pequeno de nossa população, detém 78% do total, ao passo que a densamente povoada Região Sudeste fica, apenas, com 6%.

Como pode ver, um pouco de cuidado nunca é demais.

Veja abaixo algumas dicas simples.
'1 – Use um balde no chuveiro 
Ao esperar enquanto o chuveiro aquece o suficiente para seu banho, muita água escorre pelo ralo sem ser, de fato, utilizada. Para evitar esse desperdício, coloque um balde sob o chuveiro, da próxima vez, dessa forma você estará captando a água que não serviria para nada – e pode utilizá-la para algo útil. 
2 – Capte a água da chuva 
Uma cisterna ou mesmo um barril colocados sob a calha podem fazer maravilhas na captação de água da chuva. Se você não quer gastar muito, opte por um sistema mais simples e barato – qualquer esforço é válido, nesse sentido. A calha te ajudará a captar uma maior quantidade de água a cada tempestade. 
3 – Reutilize 
Quando cozinhar macarrão, não jogue a água usada fora. Posicione o escorredor sobre outra panela para armazenar a água e, depois que ela esfriar, regue suas plantas com ela. 
A cozinha, aliás, é um ótimo lugar para exercitar a reciclagem de água. Não apenas a utilizada no cozimento do macarrão é útil e, ao lavar os vegetais – frutas, verduras e legumes -, você pode posicionar uma bacia embaixo deles e, posteriormente, reutilizar toda aquela água que seria jogada fora. 
4 – Instale um sistema para reutilizar a “água cinza” 
A água cinza é toda água residual – ou seja, que já foi utilizada uma vez – que não contenha esgoto, por exemplo, a água utilizada no banho, na lavagem de roupas ou quando você lava as mãos. 
Há sistemas profissionais para captação e reutilização dessa água, como alguns que enviam a água do chuveiro para a descarga do vaso sanitário. Entretanto, se você não quer gastar com a instalação de um sistema profissional, pode simplesmente dedicar-se a captar a água cinza da sua máquina de lavar utilizando baldes, bacias e mesmo o próprio tanque de roupas. Depois, essa água pode ser usada para lavar as calçadas ou áreas molhadas da casa. 
5 – Não jogue água potável fora 
Isso serve para aqueles copos e outros recipientes contendo água, que podem ser esquecidos pela casa. Ao encontra-los, a atitude natural seria jogar o conteúdo fora, mas vale a pena pensar melhor: regar as plantas, por exemplo, pode ser uma boa saída para não desperdiçar H2O.'
Com informações de dicasdemulher

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

terça-feira

Algumas curiosidades que podem despertar em você o espírito da reciclagem

.
Algumas das sugestões – argumentos – utilizados no artigo abaixo, publicado antes, sobre a reciclagem partem de um pressuposto equivocado, não a ideia em si, mas a forma.

É quando cita países com práticas desejáveis, que são relativizáveis, já que alguns são países milenares e com pouca população, ainda, aliado ao fato de terem problemas sérios de abastecimento destes recursos, também em função de suas condições ambientais e territórios pequenos, o que funciona como argumento radical no convencimento da população.

O que há de convir que não é o nosso caso. Claro que não justifica, mas algum ‘espírito de vira-latas’ enrustido faz pressupor serem povos mais evoluídos, entre aspas, e mais conscientes em seu sentido lato, e não movidos por força das circunstâncias.

A lista é pertinente porque coloca à luz do dia, do nosso cotidiano, formas de refletirmos e daí repensarmos práticas costumeiras e que podem ser mudadas em benefício de todos e sem quaisquer ônus adicionais.

Na medida do possível dá para irmos nos adaptando e mudando gradualmente, fazendo aquilo que é essencial, que é básico... A nossa parte, a parte de cada um... Como pressuposto para uma mudança ampla e significativa que altere, efetivamente, o estado de coisa que está aí.

A bola da vez está comigo, está com você...

Confira!
 “Recicla? Não? Dê uma olhada nestes dados – estimulantes – abaixo
O “estimulante” no título parece uma ironia, mas é um misto de brincadeira/estímulo para quem recicla continuar firme e, sobretudo, para quem ainda, não entrou para o “clube”.

Em atualização nos dados sobre reciclagem/reutilização de recursos só muda em índices, o que nem em tudo tem a ver apenas com atuações públicas na área, mas, sobretudo, com a consciência ambiental de cada um, já que todo processo começa na cabeça e depois nos procedimentos dentro de casa/trabalho.

No texto abaixo vai conferir alguns “incentivos” para confortá-lo se já recicla, ou se não, como estímulo para que entre para o “grupo”... A natureza, ou melhor, definindo, a vida, agradece... A de todos os seres, inclusive ou, sobretudo a nossa.
É uma panorâmica sobre o cenário da utilização x reciclagem x descarte ambiental de algumas “figurinhas carimbadas” que fazem parte radical de nosso cotidiano, de nossa vida.

 1 - Economia

Reciclar uma tonelada de papel economiza 2,5 mil litros de petróleo, 26,5 mil litros de água e evita a derrubada de 17 árvores...

2 - Uso nobre

27 mil árvores são derrubadas a cada dia para fazer papel higiênico...

3 - Impressos

95% das informações do mundo continuam sendo armazenadas em papel. A maioria nunca é vista mais de uma vez...

4 - Japão

O papel foi reciclado pela primeira vez no ano 1031, no Japão...

5 - Lâmpada

Reciclar uma única garrafa de plástico pode economizar energia suficiente para manter acesa uma lâmpada de 60 w durante seis horas

6 - Desperdício

Os americanos jogam no lixo 2,5 milhões de garrafas plásticas por hora. Cada uma leva 500 anos para se decompor...

7 - Plástico no tanque

Reciclar uma tonelada de plástico economiza 7,5 mil litros de gasolina...

8 - Lixo marinho

Seis milhões de toneladas de lixo são jogadas no mar todos os anos. Na maior parte, plástico.

9 - Engano fatal

Milhares de criaturas marinhas morrem ao comer sacos plásticos achando que são águas-vivas...

10 - Exemplo

Na Finlândia, são recicladas 9 de cada 10 garrafas plásticas, e quase 100% das garrafas de vidro...

11 - Astronômico

A quantidade de latas e garrafas de refrigerante dispensada pelos americanos em um ano é suficiente para chegar à Lua e voltar 20 vezes...

12 - Som na lata

Reciclar uma latinha de alumínio pode poupar energia para ouvir um álbum inteiro no seu iPod ou assistir TV por duas horas...

13 - Negócio lucrativo

A reciclagem do alumínio economiza 95% do custo de energia para produzir alumínio novo...

14 - Ciclo

Uma lata de alumínio reciclada pode voltar para a prateleira do supermercado em dois meses...

15 - Multa

 Desde 2005, os moradores de Nova York devem reciclar seus aparelhos eletrônicos, ou pagar uma multa de US$ 100 por peça...

16 - Poluição

Se os Estados Unidos elevassem a taxa de reciclagem de 34,5% para 75%, seria o equivalente a remover o monóxido de carbono emitido por 50 milhões de automóveis...

17 - Arquivo secreto

A CIA queima documentos confidenciais para aquecer sua água...

18 - Desvantagem

Nem sempre a reciclagem resulta em economia financeira. Por exemplo, resina plástica virgem custa 40% menos que resina reciclada...

Como pode ver é uma ‘panorâmica’ sobre recursos naturais que estão na ordem do dia em qualquer lugar.

Com informações UOL (30/05/2016) 

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

domingo

Preservação ambiental... Saiu de moda de vez? A Sabesp vem inovando...

.
Fica um ‘coisa’ com cara de proselitismo político, sobretudo neste contexto em que vivemos hoje, falar sobre o desserviço que o atual governador de São Paulo vem fazendo no Estado no que se refere à questão ecológico-­ambiental.

Originalmente tínhamos país afora instituições públicas voltadas à preservação ambiental, não apenas como um ‘delírio ecológico-ambiental’, diríamos assim, mas como um pressuposto indispensável para a preservação de recursos imprescindíveis à vida em seu sentido mais amplo das populações locais no curto, médio e longo prazo.

Entretanto algumas “correntes ideológicas” não veem valores como estes como ‘coisas validas’, já que se pautam, ou melhor, existem em função do lucro imediato, de preferência mais fácil e barato, é claro.

É o que parece estar acontecendo no Estado de São Paulo. Para nos atermos apenas a este exemplo.

A Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo), uma grande instituição que fazia jus ao nome e função para os quais foi concebida e fundada, foi praticamente privatizada, ou seja, saiu do domínio e interesse público, e se pauta hoje em suas ações como uma empresa comum onde o lucro é o “moto propulsor”.

É o que vai constatar neste exemplo explícito de mudança radical de paradigma ambiental no Estado, com a obra de transposição das águas do rio Itapanhaú, em Bertioga, clique aqui e confira.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

terça-feira

Podar as plantas parece – e é – fácil, veja boas dicas

.
Podar plantas parece inútil ou pouco ambiental, entre aspas, mas, é um bom recurso para dar-lhe vitalidade, ‘educá-la’ a adequá-la ao ambiente em sua casa e, ao contrário do que se pensa, adicionar-lhe mais vitalidade.

Cuidar de plantas é uma ‘tarefa que, a bem da verdade, como se diz, faz mais bem a quem cuida do que para a própria planta. E podar é um detalhe simples, que traz bons resultados, tanto para a planta em si como para os ‘olhos de quem tem e cuida’.

Confira:
Como fazer para podar suas plantas e garantir-lhes saúde e beleza
É um recurso necessário para garantir não só o espaço que reservou para elas, bem como para mantê-las sempre belas e saudáveis.

Antes de iniciar certifique-se que esteja com as ferramentas necessárias, e bem amoladas, já que, quando cegas cortam mal e deixam cicatrizes de demorada recuperação que pode comprometer a saúde da planta.

Você pode utilizar uma tesoura de poda convencional ou, se não tem uma à mão, pode usar uma faca super amolada – corte devagar e com cuidado para não ‘mastigar’ ou lascar – ou mesmo um estilete grande o suficiente para a tarefa, já que são bem amolados e eficientes (deixe uma ponta curta ao cortar para evitar acidentes ou que venha a quebrar).
Veja também: Poluição em ambientes internos é real. Veja como suavizar ou combater
É bom lembrar que estas sugestões de ‘ferramentas alternativas’ se reservam a plantas mais tenras e de fácil manuseio. Já que, a depender do caso, pode até usar um serrote, de preferência pequeno e fino.

O primeiro passo seria meio ‘estético/sanitário’. É o caso de eliminar os ramos, e folhas, secos, fracos e doentes. É um procedimento sanitário e estético, quando vai educando/moldando a planta ao seu gosto e às características do espaço onde está localizada.
Na poda convencional, periódica, identifique os ramos ou galhos pouco desenvolvidos em relação aos demais. Ao cortar, pode fazer a opção de fazê-lo logo acima de uma nova gema – ou broto – quando vai ser gerado novo galho mais fino. Mas, caso queira “educar”, mesmo, corte bem rente ao caule ou na haste do ramo maior de onde ele se originou que não voltará a crescer.

Lembre-se.  Tente, antes, visualizar a nova planta que vai surgir depois de sua intervenção. O formato, o rumo do crescimento e o visual final em plena forma e verifique se é o que pretende ao podá-la.

Observe igualmente a sua interação com as vizinhas e o ‘arranjo estético’ final do seu espaço.

Publicado originalmente em Como fazer você mesmo

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

sábado

Meio ambiente? Que haja discurso... É só um “chover no molhado”

.
O que é isso, mesmo... ?

A tal sociedade de consumo entranhou tanto em nossos corações e mentes, que não existe consciência por parte das pessoas, e muito menos de suas consequências para a vida... Para ‘nossa’ vida...

As campanhas publicitárias que servem de suporte ao lançamento de produtos trabalham com sutilezas da consciência humana, quando o processo de condicionamentos é plenamente imperceptível e extremante eficiente, extremamente eficaz em seus objetivos, ou seja, nos fazer consumir sem limites, como se aquele produto já fizesse parte desde sempre da nossa vida, e sem o qual, muitos deles, não pensaríamos em passar sem... Não conseguiríamos viver...
O trabalho de divulgação, de tentativas de levar á reflexão ao consumidor é de efeitos parcos, quando o tal discurso ambientalista, ‘chove no molhado’, ou usando outra expressão popular, ‘fala para ouvidos moucos’.

Quando as pessoas ouvem, entre aspas, acha até bonitinho, mas, daí a alterar um centímetro de seus hábitos diários... É outra conversa.

Não é à toa que os movimentos ambientais vêm sumindo do mapa, ajudados, com certeza, pelo silêncio obsequioso da mídia, que presta um bom serviço aos seus patrocinadores, aos grandes fabricantes destes tais produtos da lista de antivida, antiplaneta...

Nesta imagem acima tem a relação de alguns produtos “triviais” que estão em nosso cotidiano com suas respectivas vidas... (‘durabilidade’) Longevidades... (leia-se, “empestando o meio ambiente”).

Você toparia parar com algum deles, estes mais longevos, em função destas informações?

Não, né? Eu sozinho não faria diferença... Só que faz, já que o todo, o grande, entre aspas, só se faz com as partes... Pequenas... Individuais...

Sobre o sumiço dos movimentos ambientais... Basta dar um zapeada pelas redes sociais, todas elas... Então, raramente vê-se alguma referência ao tema.

Saiu de moda... E a vida...?

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark