sexta-feira

Porque os gramados, jardins e plantas estariam sumindo das casas?

.
Um lance visível hoje em dia é como o verde de qualquer tipo vem sumindo e cedendo espaço para o cimento, para a pavimentação, nas ruas, mas, sobretudo nas casas – frente e verso, ou seja, ‘jardim’ e quintal – “costume pós-moderno” que se alastra por toda a cidade.

O verde – seja ele um gramado, jardins, arbustos, árvores ou qualquer tipo de planta – está se tornando coisa rara em nome da funcionalidade, da praticidade no trato com a casa, com a “vida moderna”, já que ninguém mais tem ‘tempo’ de cuidar destas ‘coisas’, daria muito trabalho, toma muito tempo.

Tempo este, com certeza, usado de forma mais “útil” diante de alguns ‘recursos’ eletrônicos, principalmente o velho, normalmente chamado TV, com seus programas de gosto a cada dia que passa mais duvidosos, principalmente nos fins de semana…

Temos hoje, cada dia mais onipresente na vida e imaginário das pessoas os celulares, smartfones e outras coisas do gênero, com seus inúmeros “recursos” aplicativos e watzapes da vida, onde sua função original, a de “falar”, se tornou um mero detalhe.

Quem ainda ‘gosta’ de plantas e flores prefere ir ao supermercado e adquirir alguns belos exemplares, meio que ‘transgênicos’, que dão aquele ‘up’ ecológico e natural à sua casa, antes de virarem um adicional ao lixo comum, muitas vezes ainda verdes, como costumamos vê-los nas portas ao lado do lixo convencional.

Algumas árvores que restam, de tanto serem mutiladas por podas educativas ou de ‘segurança’, mais parecem espectros, que não reúnem, inclusive, condições para a vida silvestre já que nem os pássaros urbanizados encontram abrigo e proteção em suas copas ralas.

Se ainda resistem, mesmo que mutiladas, é graças a leis municipais que penalizam o corte, em uma intenção, mesmo que burocrática, de garantir algum verde ou ambiente nas ruas, mas que são burladas com as tais podas educativas.

Diante desse cenário, ainda fala-se tanto em aquecimento, como se ele surgisse, assim… Do nada. Como se fossemos apenas vítimas infelizes de uma natureza cruel, que quer nos aniquilar a todos…

Veja como nós, “só”, temos a ver com tudo isso que pode afetar o ‘nosso’ planeta e vida, dê uma olhada: Áreas verdes. Sabe mesmo o que isso significa? O conceito pode se bem mais amplo

É o que atestam dados recentes de um grande estudo ecológico publicado no periódico Nature, segundo o qual o verde está sumindo do planeta. Já vai pra mais da metade, mas o pensamento comum é que isso é coisa de desmatamento, atribuições de governos apenas. Eu não tenho absolutamente nada a ver com isso.

O que muitos não sabem ou se soubessem provavelmente pouco mudaria, é que o ambiente doméstico seria sim, influenciado por gramados, árvores, plantas de todo tipo em casa, com o adicional de favorecer o surgimento de um microambiente saudável, com o surgimento de pássaros, borboletas e outros seres que há muito sumiram.

Logo, se tem alguma condição de restabelecer um ambiente, por menor que seja, para o verde em sua casa, tente. Você pode se surpreender!

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

sábado

Performance de rua e o ataque do bem-te-vi ao gavião... Pode?

.
Há já algum tempo penso em criar uma “tag”, tipo “estórias e causos”, aberta a relatos de estórias e causos envolvendo o meio ambiente, animais e quaisquer experiências como esses e temas correlatos.

Uma experiência que tive hoje, finalmente me fez desencantar a tal ‘tag’.

Estava indo a pé para um empório aqui perto de casa, quando vi alguns cantos/gritos de maritacas e como não são tão comuns por aqui, pelo menos não tão perto, a não ser passando – voando alto – pela manhã e à tarde para algum lugar, observei que estavam, 4 delas, nos fios de um poste.

Mesmo correndo o risco do ‘mico’, parei em uma área protegida no meio da rua, próximo à esquina em que estavam e fiquei olhando pra cima.

Para quem passava e via um cara deste tamanho, barbado, com a cara pra cima pode ter pensado em minha duvidosa sanidade mental ou mesmo que poderia ser algo tipo um OVNI. Mas, fui recompensando por minha audácia performática, já que muitas pessoas próximas, inclusive nos carros que passavam me olhavam e, pelo visto, tentavam descobrir o porquê da performance.

Na sequência pousou um gavião tamanho família em uma antena de televisão alta sobre uma casa próxima, o que fez calar imediatamente as maritacas, que ficaram ligadas no dito cujo.

Enquanto ele se ajeitava, provavelmente ‘pensando’ em alguma estratégia para garantir a janta – eram umas 17 horas – eis que me aparece o estraga jantares...

Um bem-te-vi fez um vôo rasante sobre o dito cujo. Não sei se chegou atingi-lo, só sei que ele tentou se defender e diante do ataque cerrado – aos gritos do bem-te-vi – ele ‘picou a mula’, como se diz, e foi sendo assessorado com mais ataques rasantes enquanto se afastava pra longe.

Provavelmente ele estava tentando proteger algum ninho/filhotes seu nas imediações.

Apesar do inusitado da situação perante letalidade e tamanho do gavião e /ou pequenez e fragilidade do atacante, um fator que, provavelmente, deixa o bem-te-vi em vantagem é o seu bico grande, forte e pontudo, potencializado por seus vôos de ataque – como caças militares, rápidos e rasantes – enquanto o gavião, em que pese todo o seu esquema de poder e ataque, no caso, não pode fazer nado, pois o seu bico em forma de gancho não é apropriado ao ataque – só para cortar/rasgar a carne das presas – e seu tamanho acaba sendo uma desvantagem.

Com isso as maritacas voltaram a se animar e a cantar e o gavião foi procurar o seu jantar em outro lugar.

Quando percebi, tinha bem mais gente vendo, e comentando, a cena do que ligadas em minha performance.

Um detalhe a lembrar é que eu estava, moro, em uma cidade de mais de 1 milhão de habitantes e em local próximo ao centro, embora a existência de um bosque público nas imediações possa ter facilitado a presença dos protagonistas do “evento”.

Se você tem uma estória ou causo do gênero “estórias e causos” e queira partilhar, use o espaço dos comentários. A depender do caso, e tamanho nós o publicaremos como artigo seu sob a ‘nova tag’.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

quinta-feira

Áreas verdes. Sabe mesmo o que isso significa? O conceito pode se bem mais amplo

.
No princípio do artigo abaixo, que publicamos em 2010, temos o: Fala-se muito em área verde... Só que hoje isto não acontece. A questão verde, para quem olha de fora.

É como se já tivesse sido equacionada, resolvida, mesmo, já que saiu da ordem do dia, da mídia e dos corações e mentes das pessoas, pelo menos é o que observamos.

Entretanto ela está aí, e o motivo que nos levou a surgir, o metanoverde, foi a sua defesa, através de buscar esclarecimentos, discussões e, também, denuncias sobre aqueles que gestam contra esta infra que se confunde com a própria vida, com a sua preservação em seu sentido mais amplo.
Leia artigos relacionados: 
Como fazer uma pequena horta orgânica, em casa ou no apartamento; 
Chuvas, alagamentos e inundações. De quem é a culpa? 
Como fazer uma pequena horta orgânica 
Torne-se um “guerrilheiro verde”, lance bombas de sementes e ajude na recuperação do meio ambiente; 
Pavimentação de jardins e quintais e problemas para o meio ambiente nas cidades. 
O meio ambiente e a segurança jurídica estão indo pelo ralo. Meio ambiente é a bola da vez
É tão elementar, básica, mas não custa dar uma relembrada.
Áreas verdes. Sabe mesmo o que isso significa?
Fala-se muito em área verde, que seriam fatores de equilíbrio do meio ambiente e qualidade de vida nas cidades. Mas, o que é mesmo uma área verde? Segundo a Organização Mundial de Saúde, da ONU, que sugere um mínimo de 12m² por habitante, ela compreende espaços abertos integrados à cidade e à vida urbana, como praças com cobertura vegetal, gramados, canteiros, arbustos e árvores, além de quintais e jardins nas residências, campos de futebol, zoológicos, jardins botânicos, e até cemitérios modernos com gramados e lápides pequenas.

Apesar da relativa facilidade de se atingir o índice mínimo, a quase totalidade das cidades brasileiras tem menos de 5m² de área verde por habitante, com uma exceção honrosa, Curitiba, com mais de 55m²/hab.

área verde mínima não é uma questão estética, apenas, mas um fator de qualidade de vida, já que garante a relação entre a quantidade de oxigênio disponível e o gás carbônico, além de criar um microclima mais ameno, despoluir o ar de partículas sólidas, reduzir a poluição sonora, reduzir e controlar a velocidade dos ventos – basta ver os estragos que fazem quando chove – e, até a purificação do ar de micro-organismos, como vírus diversos, bactérias e fungos.

Para se ter uma ideia desta última qualidade da “área verde”, foram medidas uma média de 50 micro-organismos por metro cúbico (m³) em uma mata e, até 4.000.000 por metro cúbico (m³), em um ‘shopping center’.

Se a sua casa, também, entra nessa conta, porque não começar a fazer a sua parte? Pense nisso!

Fonte: UNESP

Se gostou deste post, subscreva o nosso RSS Feed ou siga no Twitter, para acompanhar as nossas atualizações.

*

Share/Save/Bookmark

terça-feira

Como adicionar o conceito de sustentabilidade às suas atividades, ao ‘faça você mesmo’

.
Este artigo foi publicado originalmente no blog Como fazer você mesmo, cujo nome já trás as pistas do que trata, quando dá dicas para adicionar a este grande prazer de fazer as coisas – de toda ordem e tipo – por si mesmo, o conceito de sustentabilidade que, embora pareça ter saído de moda, continua na ordem do dia como premência e/ou necessidade vital como sempre.
Como fazer para adicionar o conceito de sustentabilidade ao faça você mesmo
... em sua casa

A ideia deste blog é estimular o hábito saudável, prazeroso e econômico até, do fazer você mesmo, aliado ao inegável efeito – como poderíamos dizer? – ecológico/ambiental e sustentável, com a economia de materiais, a reutilização de produtos e matérias-primas de todo tipo.

Em função disso, alguns procedimentos simples e fáceis em casa no nosso cotidiano, estão dentro desse espírito e só adicionam à ideia de preservação e cuidados.

Consertar os eletroeletrônicos e outros aparelhos, bem como ficar ligado em sua manutenção constante, o que otimiza o seu uso e funcionamento bem como retarda ou evita a necessidade de substituição por outro.

Fique ligado, também, na manutenção das tomadas que não funcionam ou que apresentem problemas, como faíscas. Isso vale, também, para bocais, tanto aqueles da iluminação convencional como em abajures e/ou quebra-luzes.

Outro item que “dá pau” com certa frequência são as torneiras. Quando começam a pingar insistentemente, logo, substitua a “bucha” no princípio.  Aproveite e instale redutor de vazão nas torneiras, bicos e as tradicionais “peneirinhas” ou telas, o que facilita o uso – evita o excesso de pressão que espalha a água – além de reduzir o consumo enquanto mantém a mesmo efeito de vazão, até parece aumentar, sem comprometer o trabalho.

Faça a manutenção de fechaduras, cadeados e ferrolhos, o que não só facilita o seu uso e eficiência no cotidiano, bem como aumenta a sua durabilidade e vida útil, evitando assim a perda e sua substituição.

Limpe e engraxe os calçados e outros objetos de couro como bolsas, mochilas e carteiras, o que mantém sua beleza e garante a conservação do couro, que pode ter uma vida útil, praticamente sem limites, desde que bem cuidados.

Cuidado com as plantas, tanto no jardim como em vasos, observando a colocação de adubos ou nova terra e transplantes, o que as mantém bonitas e viçosas e ficará menos tentado a substituí-las em uma vista à flora ou ao setor específico nos supermercados.

Faça uma “composteira” com restos orgânicos, como cascas de frutas, sobras de legumes e folhas, bem como outros materiais, o que vai lhe garantir um adubo orgânico e saudável para seus vasos e hortas. Se você mora em apartamento, providencie um recipiente de plástico fechado, e se em casa ela pode se feita no chão, mesmo, em um canto no quintal ou jardim.

Cuide do piso, sobretudo se é de taco, fazendo não só a limpeza sistemática, a recolocação e colagem dos tacos soltos, medida que serve também para os pisos de lajotas e azulejos soltos.

Não espere que os descascados e pequenas ferrugens tomem conta de seus portões e grades de metal, use uma lixa de ferro ou um anti-ferrugem químico e limpe o local afetado, em seguida use tinta para restaurar e recompro a pintura original.  Agindo assim, vai impedir a progressão da ferrugem e futuro comprometimento geral da estrutura.

Estes pequenos procedimentos no cuidado e manutenção em sua casa contribuem para preservar e prolongar a vida útil dos materiais e equipamentos, evitando uma troca precoce, com o custo financeiro e ambiental com o descarte.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

domingo

Dicas oportunas e eficientes para garantir um uso mais racional da água

.
A questão da água – falta e perspectivas catastróficas de racionamento – só nos chegam ao imaginário, ou mesmo no cotidiano, quando estamos diante do fato consumado.

Quase sempre não nos damos conta de que o nosso uso diário pode estar piorando alguma situação de carência, mesmo que sem racionamento ou alertas oficiais.

Daí a ideia de divulgar algumas açõezinhas a serem observadas em nosso uso cotidiano, que podem ajudar na economia do recurso, não só local, mas para o planeta como um todo.
Veja perspectivas nada alvissareiras para o recurso: Porque você pode acabar se tornando vegetariano. Não acredita? Confira!
Não vamos nem entrar no mérito da economia, já que ninguém vê a água como uma despesa, entre aspas, pois o Brasil tem um histórico abençoado de grande fartura de água, logo de preços razoáveis.
  - Instale torneiras com aerador ("peneirinhas" ou "telinhas" na saída da água). Ele dá a sensação de maior vazão, mas, na verdade, faz exatamente o contrário. 
  - Lave as louças em uma bacia com água e sabão e abra a torneira só para enxaguar. Use uma bacia ou a própria cuba da pia para deixar os pratos e talheres de molho por alguns minutos antes da lavagem, pois isto ajuda a soltar a sujeira. Utilize água corrente somente para enxaguar. 
  - Para lavar verduras use também uma bacia para deixá-las de molho (pode ser inclusive com algumas gotas de vinagre), passando-as depois por um pouco de água corrente para terminar de limpá-las. 
  - Lave de uma vez toda a roupa acumulada. Deixar as roupas de molho por algum tempo antes de lavar também ajuda. Ao esfregar a roupa com sabão, use um balde com água, que pode ser a mesma usada para manter a roupa de molho. Enquanto isso, mantenha a torneira do tanque fechada. Enxágue também utilizando o balde e não água corrente. 
Se você tiver máquina de lavar, use-a sempre com a carga máxima e tome cuidado com o excesso de sabão para evitar um número maior de enxágues. Caso opte por comprar uma lavadora, prefira as de abertura frontal que gastam menos água que as de abertura superior. 
  - Regar jardins e plantas durante 10 minutos significa um gasto de 186 litros. Regue o jardim durante o verão pela manhã ou à noite, o que reduz a perda por evaporação; Durante o inverno, regue o jardim em dias alternados e prefira o período da manhã; Use uma mangueira com esguicho tipo revólver; 
  - Substitua a mangueira por um balde com pano para retirar a sujeira do veículo. Lavar o carro com a torneira aberta é uma das piores e mais comuns maneiras de desperdiçar água. 
  - Evite lavar a calçada. Limpe-a com uma vassoura, ou lave-a com a água já usada na lavagem das roupas. Utilize o resto da água com sabão para lavar o seu quintal. Depois, se quiser, jogue um pouco de água no chão, somente para "baixar a poeira". Para isto você pode usar aquela água que sobrou do tanque ou máquina de lavar roupas. 
  - Recolha a água de enxágue da máquina de lavar roupas em um balde e use para lavar o chão na casa, passeio, garagem e outras áreas em vez de usar a mangueira.
Como vê, são ações bem racionais, assim como pouco ou nada usuais, e que vão exigir de você um pouco mais de trabalho/tempo, não é verdade?

Com informações de organizesuavida

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

sexta-feira

Porque você pode acabar se tornando vegetariano. Não credita? Confira!

.
A notícia não é nova (2015), nem tampouco o problema, embora atualíssimo. Também não é papo de ‘vegano radical’. São conclusões da organização das Nações Unidas.

É que o seu bife diário ou o seu churrasquinho de fim de semana é ‘insustentável’, ambiental e ecologicamente falando. Palavrinhas de ‘ecochatos’ e sem sentido, não? Não, não são! As necessidades de água, e de alimentação, da população mundial são incompatíveis com o consumo de carnes.

Metade, é metade, da população da humanidade, ou algo em torno de 4 bilhões de pessoas, irá ter problemas de falta de água, básica, crônica, para a sobrevivência. Pode?
Leia também: 
Água da Nestlé tem venda proibida pela Anvisa por riscos de infecção em crianças e grávidas 
Cuide de sua água, veja dicas de como fazer isso neste verão 
Veja como consumir melhor, a mais pura, água
Só para ter uma ideia. Para fazer um 1 kg do churrasquinho a vaca consome 15.000 litros de água. É isso! Quinze mil litros de água, por extenso. Não acredita?

Como a opção não depende de ter ou não ter condições de adquirir – assim simplesmente – já que temos regiões ricas com, hipoteticamente, todas as condições de resolver o problema não o farão simplesmente por falta do que adquirir, do que comprar.

No Brasil, o Estado de São Paulo, por exemplo, é useiro e vezeiro da tal crise da água e é assim em qualquer lugar do planeta. Onde nem sempre a ‘grana’ significa muita coisa nesta área.
"Estudos apontam que falta de água pode tornar o mundo vegetariano
De acordo com dados da ONU, seria preciso aumentar a produção de alimentos em 70% para atender a demanda em 2050, no entanto não há água para isso
A crise hídrica que vem assombrando algumas regiões do Brasil não é novidade para outras cidades do mundo, como Califórnia, Barcelona, entre outras. O problema, na verdade, é tão grave que estima-se que metade da população mundial enfrentará falta de água crônica se os atuais hábitos de consumo alimentar continuarem como estão.

A previsão é de Malin Falkenmark, conselheiro científico sênior do Stockholm International Water Institute (SIWI), em um texto para o relatório Food Security: Overcoming Water Scarcity Realities.

O problema se tornou maior depois que a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura revelou, por meio de estudos, que será necessário aumentar a produção de alimentos em 70% nos próximos 40 anos para atender à demanda no planeta.

Segundo Falkenmark, não há água suficiente à disposição para abastecer as demandas atuais de terras agrícolas e haverá muito menos para produzir alimentos para a população esperada pela ONU em 2050.

Isso porque, de acordo com dados e pesquisas, a pegada hídrica de carne de bovinos de corte é muito alta – para apenas 1kg de carne bovina são necessários mais de 15.000 litros de água. Para os ovinos são necessários 10.400 litros, suínos 6.000 litros, caprinos 5.500 e frangos 4.300 litros.

Dessa forma, para mitigar os impactos, o ideal é apostar em dietas nas quais a maior parte da composição alimentar sejam proteínas provenientes de origem vegetal e não animal, como ocorre atualmente. Estima-se que a dieta mais sustentável, ou vegetariana, consuma de cinco a dez vezes menos água que a comum.

Vegetarianismo faz bem para a saúde

Muito comum em diversas partes do mundo, o vegetarianismo ainda sofre preconceitos por parte de médicos e acadêmicos. No entanto, diversos estudos já apontam que esse tipo de dieta vai muito além dos direitos dos animais.

Esse regime alimentar, baseado em alimentos de origem vegetal, faz bem para a saúde, já que elimina e previne contra diversas doenças relacionadas ao câncer e o coração.


Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

quarta-feira

Pão integral, nem sempre o que parece é...

.
O pão integral é, realmente, um diferencial em termos nutricionais com relação ao que normalmente chamamos de “pão branco”. O hábito faz com que muita gente não tente nem provar o tal do integral, que em si mesmo apresenta diferenças significativas em relação “ao branco” e não apenas em termos nutricionais. É o velho axioma: “gosto não se discute”.

Entretanto, como vai ver abaixo, ‘nem tudo que reluz é ouro’, ou seja, nem tudo que parece ser o pão integral o é de fato. A indústria costuma encontrar um jeitinho de fazer das suas e, mesmo usando a lei, induzir ao erro ao consumidor desinformado, ou distraído.
"Nem todo pão integral e saudável como imaginamos; saiba como escolher
A tarefa de escolher um pão integral na gôndola do supermercado é mais complicada do que parece. Apesar de existirem dezenas de opções de produtos disponíveis, muita gente acaba comprando um produto que na embalagem consta como integral, mas que, na realidade, não é. "Para ter certeza de que está levando um pão integral, é preciso olhar o rótulo. De acordo com as normas da Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária), a lista de ingredientes deve estar organizada por ordem de quantidade, ou seja, aquele que aparece em primeiro, existe em maior quantidade", explica o nutricionista Ricardo Zanuto, doutor em Fisiologia do Exercício pela USP (Universidade de São Paulo).

Sendo assim, o pão só será integral se o primeiro ingrediente que aparecer na tabela for a farinha de trigo integral e não a farinha branca --também chamada de farinha de trigo enriquecida com ferro e ácido fólico. Semíramis Domene, nutricionista e professora do Departamento de Políticas Públicas e Saúde Coletiva da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), não recomenda a escolha de pães em que a farinha integral esteja apontada como segundo ingrediente na composição. "O primeiro ingrediente é o que vem em maior quantidade. Se a farinha integral ou o centeio aparecer como segundo ou terceiro item, não dá para saber se ela está em 49% da composição ou em apenas 1%, pois não é mais o ingrediente principal", afirma.


Leia também: Cereais integrais dão um trato em sua saúde e longevidade, atestam novas pesquisas

De acordo com Semíramis, essa confusão acontece no Brasil por não haver uma legislação que defina com precisão o que é o alimento integral. "A Anvisa permite que os fabricantes rotulem o produto como integral se ele tiver esse tipo de farinha na composição, independentemente da quantidade utilizada", explica. O Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) tem levado essa discussão junto à Anvisa para termos uma legislação para produtos integrais do ponto de vista da nutrição. Nos Estados Unidos, por exemplo, existem percentuais definidos: para o produto ser considerado integral é preciso ser composto de, no mínimo, 50% de grãos integrais.

Procurada, a Anvisa confirmou que não existem critérios na legislação sanitária para produtos integrais e que, por isso, neste ano, a agência iniciou uma discussão para atualizar a norma. "A intenção dessa revisão é estabelecer os critérios mínimos para que os alimentos possam utilizar a declaração 'integral'", disse em nota. O processo está em fase inicial de pesquisas de referências internacionais e, em seguida, a proposta será submetida à aprovação da diretoria colegiada da agência.

Benefícios do pão (verdadeiramente) integral

Trocar o pão branco pelo integral é indicado não só para quem quer emagrecer, mas também ter uma vida mais saudável. "Os pães que utilizam farinha ou grãos integrais possuem uma maior quantidade de nutrientes. Além disso, eles têm maior teor de fibras, que tornam a digestão mais lenta e, assim, proporcionam uma sensação de saciedade por mais tempo", diz Marina Politi, nutricionista de São Paulo. As fibras também possuem um papel importante na regulação do trânsito intestinal.

Zanuto acrescenta que os grãos integrais também têm papel importante na aceleração do metabolismo, o que é positivo para quem quer perder peso. "Eles também liberam o açúcar aos poucos na corrente sanguínea, o que os torna uma boa opção para quem tem diabetes ou se preocupa em prevenir a doença. Mas, mesmo com esses benefícios, não se pode exagerar no consumo, pois a versão integral acaba tendo a mesma quantidade ou até mais calorias do que o pão branco", explica.

Ultraprocessados

Segundo o "Guia Alimentar para a População Brasileira", publicado pelo Ministério da Saúde, o pão de pacote industrializado está na categoria de alimentos ultraprocessados. Ou seja, tem na composição ingredientes modificados e com muito aditivos. "Os adjuvantes tecnológicos [aditivos] são usados para deixar o pão mais macio (padrão de consumo de quem gosta do pão branco), além de aumentar a validade do produto. O pão verdadeiramente integral é mais duro e, por ser livre de qualquer tipo de conservante, tem uma validade muito curta, estraga em três dias", diz Semíramis, que defende o uso dos pães e alimentos integrais feitos estritamente com ingredientes culinários por serem mais saudáveis do que os industrializados. 

O que levar em consideração

Antes de comprar um pão, além de checar o tipo de farinha na lista de ingredientes, outros aspectos devem ser levados em conta, como a quantidade de aditivos em sua composição. "Conservadores, emulsificante, fortalecedor de farinha, acidulante, edulcorante... Essas são coisas que não encontramos na feira porque não são ingredientes, são aditivos. O pão de verdade é feito com farinha, água, fermento e um pouco de sal, todo o resto é aditivo tecnológico para dar sabor e melhorar a aceitação do produto", diz Semíramis.

"A farinha branca (ou a enriquecida com ferro e ácido fólico) também deve estar entre os últimos ingredientes da lista, assim como o açúcar --caso ele esteja presente na composição", explica a nutricionista Marina. Ela ainda diz que, além da lista de ingredientes, ao verificar a tabela nutricional, é importante procurar as marcas que possuam menor quantidade (ou isenção) de sódio, gorduras saturadas e trans. Zanuto também recomenda verificar o teor de fibras. "O ideal é escolher os pães que têm dois gramas de fibras por fatia, pois, assim, os benefícios serão maiores", diz. Segundo Marina, o valor calórico é o último fator a ser levado em conta, já que "um pão de baixa caloria não é sinônimo de boa qualidade nutricional". 


Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

sábado

O meio ambiente e a segurança jurídica estão indo pelo ralo. Meio ambiente é a bola da vez

.
Segue o “pagamento da fatura” do golpe. A Constituição e seu arcabouço de leis que garantiam a segurança jurídica estão indo pelo ralo.

Primeiro é a flexibilização, entre aspas, das reservas indígenas, que deve ser um desejo antigo dos pecuaristas e grandes proprietários de terra locais e estrangeiros, notadamente sobre terras da Amazônia, agora é a proteção ambiental, com a flexibilização – leia-se revogação – da exigência de licença ambiental para obras que possam impactar o meio ambiente e a qualidade de vida.

Quem aprovou – nas ruas e na festa com o golpe contra o governo constituído, legal – deve estar muito satisfeito com o novo “andar da carruagem”.

Muito mais está vindo por aí. Para quem não faz parte do seleto grupo dos “donos das coisas”... Vai sobrar, e muito, para todo mundo. É esperar pra ver!
     “Votação de 'licenciamento flex' é suspensa na Câmara por falta de quórum
São Paulo - A Comissão de Finanças e Tributação da Câmara suspendeu nesta quarta-feira, 14, a votação do substitutivo do deputado Mauro Pereira (PMDB/RS) ao projeto de lei 3. 729/2004, que isenta e simplifica o processo de licenciamento ambiental. A suspensão  ocorreu por falta de quórum.

Apesar de a bancada ruralista estar em peso na sessão, defendendo que houvesse a votação, deputados de PT, Rede e PSOL obstruíram a votação.

O texto polêmico colocou em franca oposição o Ministério do Meio Ambiente, que defende um texto menos permissivo, e a Casa Civil, que resolveu apoiar o texto de Pereira para atender aos pedidos da bancada ruralista.

Mais de 250 organizações da sociedade civil manifestaram repúdio ao projeto, apontando que, se aprovado, ele será uma "fábrica de Marianas" - numa relação ao grande acidente ambiental que atingiu a cidade mineira em 2015.

O projeto de Pereira dispensa o licenciamento para atividades agropecuárias e de florestas plantadas; de melhoria ou reforço de sistemas de transmissão e distribuição de energia licenciados; em intervenções nas faixas de domínio das rodovias federais pavimentadas; e na execução de dragagens de manutenção e outras atividades destinadas à manutenção das condições operacionais pré-existentes em hidrovias, portos organizados e instalações portuárias em operação.

Em linhas gerais, o substitutivo de Pereira estabelece a dispensa e a simplificação do licenciamento. Em alguns casos, basta a empresas preencher um formulário na internet, como ocorre na Bahia com o modelo de "adesão e compromisso", o que é questionado pelo Ministério Público.

O texto delega aos Estados e municípios a definição de quais empreendimentos estarão sujeitos ao licenciamento ambiental, segundo natureza, porte e potencial poluidor. E restringe manifestações de órgãos interessados no licenciamento, como ligados às unidades de conservação (ICMBio), indígenas (Funai) e quilombolas (Fundação Cultural Palmares).

O ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, enviou uma carta à Casa Civil pedindo empenho para que o projeto não fosse votado. Em nota à imprensa, disse que "vê com preocupação a possível aprovação desse substitutivo que, além de propiciar a guerra ambiental entre os Estados, geraria insegurança jurídica e a judicialização do processo de licenciamento ambiental, o que comprometeria seriamente a produção e a economia do País".
           
 *

                * Citar ou usar fontes assim, como Globo, Folha, Estadão e outros que fazem parte do “staff” do golpe, invadindo e detonando os corações e mentes de seus leitores – junto com as TVs –, é pertinente porque para muitos, sobretudo os menos crédulos ou, com o perdão da palavra, os mais alienados, serve como referencia para não começarem a achar que é invenção de algum ambientalistazinho radical.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

quinta-feira

Índios pós-modernos...

.

Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

terça-feira

Veja como consumir a melhor, a mais pura, água

.
As pesquisas compiladas no livro “The Drinking Water Book” (“O Livro da Água Potável”, em livre tradução), de Colin Ingram, apontam que o filtro de barro – aquele que sua avó provavelmente usa ou já usou – é o mais eficiente do mundo.

Ele é bom na retenção de cloro, pesticidas, ferro e alumínio, além de também não deixar passar 95% de chumbo e 99% de Criptosporidiose, parasita que causa diarréias e dor de barriga.’ (ExameAbril)

São os tradicionais filtros de “barro”, com filtragem por gravidade e/ou versões mais modernas como aqueles acoplados diretamente na água que vem da rua, com filtragem por pressão – embora possam não ser tão eficientes como os de “barro”, tanto é que as pesquisas se referem ao tradicional – mas, que, basicamente funcionam com o mesmo principio.

Este filtro de barro como conhecemos, é uma criação brasileira do início do século 20 e, apesar das mudanças nas preferências e nos costumes dos consumidores, continua sendo apontado por especialistas como uma das maneiras mais eficientes de se filtrar água no mundo.

O tradicional filtro São João, por exemplo, tem classificação máxima pelo INMETRO, e é o mais vendido, tendo recebido a classificação ‘P’ ou a melhor concedida aos purificadores e que retêm as menores partículas.

Leia também:
- Água da Nestlé tem venda proibida pela Anvisa por riscos de infecção em crianças e grávidas 
- Nestlé e Coca-Cola são condenadas na Califórnia – EUA – por venderem água de torneira como mineral
Além disso, ainda tem algumas vantagens adicionais e diferenciais do filtro de barro – todo de barro ou cerâmica – está em seu baixo custo de manutenção e a capacidade de refrescar a água de modo natural, sem gastos de energia elétrica. Isso porque a cerâmica diminui a temperatura da água, em média, em até 5 graus centigrados.

Ferver a água, por exemplo, ainda é uma forma eficaz para a purificação de água junto e os filtros de barro são os melhores meios de filtragem do mundo, segundo a publicação americana “The Drinking Water Book”.

Como vê as águas ditas minerais, ou que vêm em garrafas e garrafões só devem ter o nome e fama graças ao suporte de marketing, que não vemos por aí quando se trata dos filtros tradicionais e de sua água de qualidade superior.

E, como vai conferir nos links acima, se as grandes vedetes da comercialização de água no mundo – Nestlé e Coca-Cola – têm enfrentado a lei por graves irregularidades contra a saúde pública, uma fraude total, dá para imaginar que não deve ter lá coisas tão boas na área como um todo.


Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark

sábado

Trump renega problemas climáticos globais e quer “tirar corpo fora”

.
A avaliar pelas “ligações intestinas" – intestinais? – do golpe local com os ditames do governo de plantão naquele país, não demora a ‘moda’ chega por aqui.

E o pior é que vai ter tanto “da poltrona” e “coxinha recalcitrante” aplaudindo mais esta armação via ‘globos da vida... ’

Deve ser a deixa para facilitar a alienação definitiva de coisas locais tipo Amazônia, por exemplo, bem como outros patrimônios locais na área. Já que a fatura que o golpe vai ter que pagar por todo o projeto lesa pátria golpista não deve ser nem um pouco barato. 
"Trump procura maneira rápida de retirar EUA de acordo climático, diz fonte
WASHINGTON/MARRAKESH (Reuters) - O presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, está buscando maneiras rápidas de sair de um acordo global para limitar as mudanças climáticas, disse uma fonte de sua equipe de transição, desafiando o apoio internacional para o plano de reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

Desde que Trump foi escolhido, os governos que vão da China aos pequenos Estados insulares reafirmaram o apoio ao Acordo de Paris de 2015, durante as negociações sobre o clima que vão até 18 de novembro em Marrakesh, Marrocos.

Trump, que chamou o aquecimento global de uma fraude e prometeu abandonar o Acordo de Paris, estava considerando formas de contornar um procedimento teórico de quatro anos para deixar o acordo, de acordo com a fonte, que trabalha na equipe de transição de Trump para política internacional de energia e clima. (Por Valerie Volcovici e Alister Doyle)




Se gostou deste post subscreva o nosso RSS Feed ou siga-nos no Twitter para acompanhar nossas atualizações

*

Share/Save/Bookmark