domingo

Arezzo “rejeita” produtos feitos com pele de raposa

A Arezzo, marca de sapatos e bolsas, retira de suas lojas produtos que utilizam pele de raposa. A medida tomada por “livre e espontânea pressão”, conforme admite a empresa, refletindo uma tendência crescente de empresas que é “ouvir” a voz cada vez mais enfática da internet, notadamente redes sociais e blogs, em defesa dos animais.

A empresa prejudicada, das peles de raposa, alega que estas proveem de criação em cativeiro e certificada, o que não serviu como argumento para demover a Arezzo.

Este episódio ilustra uma questão subjacente, que é a do animal criado em cativeiro e aqueles silvestres, que parecem diferentes, mas que são essencialmente a mesma coisa. É o argumento que deixa passar em branco a sorte dos demais animais como o boi, galinhas, ovelhas, cabras, e ficando na faixa intermediária, as jiboias, jacarés ou crocodilo, o “croco” nos sapatos, bolsas e assessórios da moda.

A polêmica só está começando, impulsionada tambem pela constatação do peso que teria a criação de animais para o consumo humano no aumento das taxas de gases de efeito estufa na atmosfera, além da relação custo benefício da produção de alimentos, áreas de criação versus área de agricultura, em um planeta com um número crescente de bocas para alimentar.

Leia artigos relacionados:
Se gostou deste post, subscreva o nosso RSS Feed ou siga no Twitter, para acompanhar as nossas atualizações.

Share/Save/Bookmark

Nenhum comentário:

Postar um comentário