sexta-feira

Ecoterrorismo, o que acha dessa opção na defesa dos animais?



Cresce no mundo, hoje, os movimentos que defendem o fim da prática de se utilizar animais de qualquer espécie em atividades ou funções que levem ao seu sofrimento e morte, do consumo da carne até a utilização de cobaias em laboratórios para testes de cosméticos e medicamentos para uso humano.

Dentre eles, o segmento que mais cresce é o do vegetarianismo filosófico em suas diversas vertentes, desde aquela que só se abstém do consumo da carne, até aquelas, veganos, que se recusam a utilizar qualquer produto de origem animal, seja alimento, vestuário além de adereços diversos.

Um grupo dentro do movimento, ainda pouco conhecido, mas que vem chamando a atenção pelo resultado de suas ações é o dos ecoterroristas. Surgidos não se sabe exatamente onde nem como, e vem se expandido e atuando principalmente na União Européia e EUA, com centenas de atentados diversos nos últimos anos.

Utilizam práticas variadas de advertência e intimidação, desde a utilização de bombas, incêndios, depredações e pichações de lojas e fabricas.

Os seus alvos são empresas que comercializam animais ou seus produtos como casacos de pele, restaurantes típicos de animais silvestres, lanchonetes de fastfood (MacDonald), ou empresas que reproduzem e comercializam animais para laboratórios.

O que parecia algo pontual ou isolado adquire nova consistência e força com a Internet, o que tem favorecido ações coordenadas e sincronizadas. Isso levou a União Européia a desenvolver políticas de prevenção e repressão com a formação de departamentos especializados de polícia em alguns países mais visados como a França e a Inglaterra.

A pouca cobertura que a mídia convencional dá às ações do grupo sem fronteiras, provavelmente objetive não “criar escola”, ou impedir que a moda pegue, principalmente diante do grande poder mobilizador da internet.

Se gostou deste post, subscreva o nosso RSS Feed ou siga no Twitter, para acompanhar as nossas atualizações.

Share/Save/Bookmark

5 comentários:

  1. Sou completamente à favor, esses caras são heróis. Deus abençõe eles por se importarem assim.

    Também faço minha parte. Eu quase morri salvando um cachorro pq um fdp ia matar ele, atropelando. Entrei na frente do carro.
    Vale tudo pelos animais.

    ResponderExcluir
  2. É, parece uma atitude radical, mas, o que historicamente vimos fazendo com os animais acaba por provocar reações assim, não é verdade?

    Mas, eu cho que a consciência disso tudo vem crescendo. Estatísticas pouco divulgadas atestam um crescimmento surpreendente de pessoas que adotam o vegetarianismo no Brasil, o que é um bom sinal.

    ResponderExcluir
  3. Fiz um regime um tempo atrás, pois sou obeso (novamente), e fiquei 2 anos sem comer carne, foi na boa mas senti bastante fraqueza muscular. Agora voltei a comer pois possui muita proteína (importante para a musculatura dentre outros tecidos), somos por natureza carnívoros, por isso nossos olhos são na frente, animais herbívoros têm os olhos nas laterais (para perceber os caçadores mais rápido e fugir). Não sou favorável ao terrorismo pois é primitivo é gera medo e mais violência, pense num vizinho seu que não gosta do seu cachorro e quer se vingar furando os pneus do seu carro, tá aí uma ação terrorista. Além do mais enquanto alguns defendem os animais outros querem comê-los então devemos respeitar as opiniões alheias senão vira bagunça.

    ResponderExcluir
  4. Olá Clarindo!

    Suas considerações sobre o ecoterrorismo são bastante sensatas, mas, como disse, “a cada cabeça uma sentença”, ou algo assim como, dizem por aí, pois, tem gente redicalmente contra o uso de animais para qualquer fim de suporte às atividades e a vida do homem.

    A carne ainda é um importante suporte alimentar na vida de muitos povos, entretanto, o consumo de carne parece dispensável se temos alternativas alimentares. Eu por exemplo, não consumo há já muitos anos e nunca senti qualquer problema, inclusive por que sempre pratiquei atividades esportivas – atletismo e ciclismo – de competição, além de ginástica convencional.

    Mas, concordo quando diz sobre a necessidade do respeito ao outro e às suas opções, que é um pressuposto fundamental para uma vida saudável na sociedade.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  5. Olá
    Sim, devemos respeitar a opinião de cada um, mas a partir do momento que sua posição e opinião começa a afetar os outros seres vivos, acredito que deve ser contestada.

    Não, não somos carnivoros por natureza, pesquise antes de falar por favor, nosso sistema corpo consegue continuar vivo sem a carne.

    Voce diz que o terrorismo é primitivo e gera medo, e o consumo de carne, não é primitivo e tambem não gera medo? Só que não nos seres humanos, não na sua casa, então como não é você que faz todo o trabalho sujo, não precisa se preocupar se milhoes de animais estão sofrendo, certo?

    ResponderExcluir